Um negócio social é um modelo de negócio de organizações que visam
solucionar um problema social e são autossustentáveis financeiramente. Pode-se dizer
que a busca pelo impacto socioambiental é parte inerente da regra de negócios de um
negócio social.

Os negócios sociais geralmente procuram beneficiar camadas da população
mais vulneráveis, como classes de baixa renda e minorias em geral. Porém, ainda se
tratam de empresas que buscam a geração de receitas por meio de venda de produtos
e serviços, mostrando que é possível aliar os interesses econômicos/financeiros com
os socioambientais.

Existem vários tipos de negócios sociais ao redor do globo, como a African
Clean Energy (ACE), fabricante de fogões portáteis e sustentáveis movidos à biomassa
da África do Sul, solucionando o problema do uso de combustíveis poluentes, além de
ajudar pessoas que não têm o acesso a recursos tradicionais para cozinhar alimentos.
Outro caso é a Mobile Alliance for Maternal Action (MAMA), empresa atuante em
países da África e Ásia, a qual fornece mensagens sobre cuidados à saúde de
mulheres grávidas e suas famílias por meio de celulares.

No Brasil, diversos negócios sociais também vêm impactando a sociedade de
uma forma positiva. Por exemplo, a Quíron Educação, empresa atuante em Curitiba-PR
e São Luís-MA, é um negócio que incentiva, por meio de aulas baseadas nos quatro
pilares fundamentais da educação da UNESCO (Ser, Social, Inovador e
Empreendedor), jovens de 14-24 anos a tirar ideias do papel e fazer a diferença na
sociedade por meio do protagonismo. Para isso, apresenta diversos conceitos e
ferramentas, como empreendedorismo, design thinking, finanças pessoais, modelo de
negócios, criatividade e inovação, dentre outros, para estimular os alunos a
desenvolverem seus próprios projetos e impactar os meios em que vivem.

Para exemplificar esse impacto, pode ser citado o projeto “Bolinhos da Mi”,
desenvolvido por uma aluna das formações da Quíron. A jovem criadora deste projeto
procurou unir seu sonho de ser confeiteira com a vontade de ajudar a saúde pública
brasileira. Os “Bolinhos da Mi” são cupcakes vendidos em espaços de trabalho, onde apartir das receitas das vendas, doam-se bolinhos em filas de postos de saúde, com o
objetivo de tornar a espera das pessoas mais doce.

Desta forma, nota-se os benefícios gerados pelos negócios sociais nos mais
diversos setores da sociedade – da educação à saúde. De fato, quando uma
organização consegue lucrar a partir de uma iniciativa que busca uma melhor
qualidade de vida da população, os impactos gerados vão muito além dos atores
diretamente envolvidos no negócio – estimula-se a ideia que é possível a ambição
econômica estar lado a lado com a ambição social, contribuindo para a construção de
uma sociedade cada vez mais justa e igualitária.